sábado, 22 de abril de 2017

Cabo Frio em busca de Tedania brasiliensis

CABO FRIO

(18/01/2017). Excursão relâmpago para obter três espécimes de Tedania brasiliensis  que deveriam ser transportados vivos até o Rio de Janeiro. O material foi acondicionado em sacos plásticos reforçados fechados hermeticamente (Whirlpack), e transportados em "cooler" com gelo até a UFRJ.

Mergulhar com a equipe da Litoral Sub é sempre muito prazeroso. A embarcação é excelente, a equipe é 100% profissional e cordial, e os cientistas sempre são tratados de forma especial. Sempre damos um jeito de ir durante a semana, pois aí, não raro, temos o barco todo para nós. Mas, nada disso teria o valor que tem, não fosse o mar de Cabo Frio a jóia que é em termos de diversidade de esponjas e beleza cênica. Os ICs ficaram à bordo no apoio de superfície, enquanto Eduardo e Dora submergiriam à cata de Tedania brasiliensis.

A esponja calcária Clathrina aurea e sua coloração cítrica são sempre uma visão gratificante nos mergulhos, dando a aparência de que há um led aceso dentro da loca, ou debaixo do matacão, tamanho seu destaque frente ao resto das incrustações. Como não aparecia Tedania brasiliensis, íamos clicando uma espécie aqui, outra ali, naquele intuito utópico de conseguir um dia a imagem perfeita.

Esse tipo de imagem, que ilustra de forma mais abrangente o ecossistema de costão rochoso e alguns dos principais componentes do bentos, é mais difícil de obter por requerer água com maior transparência. Temos utilizado câmeras compactas ultimamente, por sua praticidade e menor custo. Isso nos restringe em termos de acessórios, com os quais poderíamos contrabalançar um pouco esse tipo de condição adversa. O resultado aqui até que esta bastante satisfatório. Duas esponjas, Arenosclera brasiliensis (branca) e Geodia corticostylifera (laranja), uma gorgônia Phylogorgia dilatata (orelha de elefante), e uma estrela do mar Echinaster brasiliensis, todos conspícuos representantes das comunidades bentônicas nesta área (Arraial do Cabo, Cabo Frio, Armação dos Búzios).

Espécie descrita no ano 2000, com a curiosa distribuição Rio de Janeiro e Maranhão, ainda não encontramos Tedania brasiliensis em outros locais. A espécie foi trazida em gelo ao Rio de Janeiro para isolamento de elementos de sua microbiota associada.

Quando se tem apenas uma chance de conseguir o material almejado, é inevitável que o coração responda com discreta taquicardia à constatação de que com 20 min de mergulho ainda não tínhamos encontrado sequer um espécime da espécie. O primeiro apareceu aos 24 min (9 m de profundidade), o segundo aos 33, e o terceiro, e último necessário, aos 38. Ufa!!




sexta-feira, 21 de abril de 2017

TB'16 - Expedição TAXPOmol Biodescoberta 2016 (Dias 18-19)

FERNANDO DE NORONHA

17º e 18º dias da expedição (24-25/04/2016). Nossos dois últimos mergulhos com a Atlantis. Retornamos à Laje Dois Irmãos e fechamos com as caverninhas (locas) da Ilha do Meio. Para mar interior, com certeza foi chave de ouro. Para uma próxima procuraremos uma época em que seja mais garantido poder alcançar as Pedras Secas, no mar externo, pois a alto nível de recorte do habitat, com inúmeros túneis e locas, propicia um sem fim de opções para o assentamento de esponjas. De acesso mais fácil, temos no litoral potiguar o Batente das Agulhas, onde estivemos em 07/04/2014 como narrado em nosso post de 13/04/2014 (http://esponjasbrasileiras.blogspot.com.br/2014/04/ii-expedicao-do-pnpd-expedicao_13.html).



Laje Dois Irmãos (seta inferior) e Ilha do Meio (seta superior).


Eduardo, pronto para entrar. O combinado fora que saltaríamos primeiro com um divemaster (muito simpático e sorridente), haja vista nossa "enfadonha" mania de ficar praticamente poitados no local em que entramos n'água, enquanto a Atlantis levaria os demais mergulhadores para um mergulho mais "emocionante". 


A Laje Dois Irmãos não é dos melhores locais para esponjas. O líquido e certo ai são as Xestospongia muta (Grande Esponja Barril). E foi por causa delas que retornamos à Laje, pois ainda nos faltavam 2-3 amostras para completar nossa série comparativa, como explicado em post anterior. Nesta foto, uma Monanchora arbuscula, também muito comum, de coleta difícil dado seu caráter finamente incrustante nesta localidade. Desta, já tínhamos as seis réplicas pretendidas. Porém, aproveitamos a oportunidade para buscar alguma amostra maior que as que já tínhamos obtido, com medo de que aquelas se mostrassem insuficientes para os estudos metabolômicos que se iniciariam na USP de São Carlos.

Findo o mergulho da outra turma, o Discovery vem a nosso encontro para transporte à Ilha do Meio.


No teto de uma das locas da Ilha do Meio, onde o espaço, apesar de apertado, permitia que se trabalhasse confortavelmente de pé, encontramos uma esponja marrom-acinzentada com grandes ósculos, que pareceu à Sula pertencer a um dos gêneros com os quais ela trabalhara em seu doutoramento. Após a coleta notamos que a tal esponja era possivelmente perfurante, escavadora, e que produzia abundante muco quando cortada (os filamentos gelatinosos que se vê na foto).

A esponja cinza foi coletada em quantidade suficiente para caracterização química completa. Porém ainda não temos um nome para ela. Falta organizar um mutirão de identificação para dar nome ao menos às esponjas mais radiantes nas imagens submarinas.  Abaixo na imagem, a esponja cor de abóbora é uma Agelas, possivelmente sventres.

Esponja da Classe Homoscleromorpha, muito abundante nas locas da Ilha do Meio, que também foi coletada para caracterização química completa. O projeto MBQmar concedeu a bolsa de doutoramento a Anaíra Lage de Santa Luzia de Jesus, que se dedica à revisão mundial do gênero Plakina

Parecem rochas mas não são. Às vezes englobam uma rocha ou rodolito, mas não raro constituem-se apenas de "esponjas móveis". Na foto o que se vê são inúmeros fragmentos da esponja Aiolochroia crassa, que se desprendem de seu substrato após adquirir certas dimensões e enfrentar o embate de uma ressaca. Não se sabe por quanto tempo sobrevivem desta forma, rolando pelo fundo, mas o certo é que, por bem ou por mal, isto acaba funcionando como reprodução assexuada para alguns. Isto porque, com alguma sorte alguns destes fragmentos podem acabar se alojando em locais onde consigam novamente se fixar e voltar a crescer.
Final de mergulho, Sula em ascensão, mas ainda "100% Garota Propaganda" da Atlantis. Como fazer propaganda da ciência com os recursos que temos? Vamos de Blog, né? Roupa de mergulho com nome da instituição ainda não é uma realidade.

E para garantir que estávamos mesmo em Fernando de Noronha, apesar do furo em nossa passada de véspera pela Baía dos Golfinhos, eles apareceram para a despedida e acompanharam o Discovery por um bom trecho. Sula não desperdiçou a oportunidade e clicou esses animais espetaculares.

O dia 25 foi de arrumações, empacotamentos, acertos, etc ... afinal, precisávamos nos assegurar de que todo o material chegaria são e salvo no Rio de Janeiro. A logística de transporte de e para Fernando de Noronha é bem complexa para quem só está acostumado com o continente. Não tínhamos como arcar com os custos do transporte aéreo de nosso excesso de bagagem, nem muito menos se poderia transportar por via aérea a quantidade de etanol que tínhamos conosco. Acertamos que a mesma barca que trouxera o etanol de Recife, agora o levaria de volta àquela cidade, onde nosso amigo e colega, Prof. Dr. Ulisses S. Pinheiro (UFPE) gentilmente se prontificara a despachar tudo para o Rio por via rodoviária, tão logo a barca aportasse na capital pernambucana. Mas, apesar de toda a burocracia para resolver, ainda conseguimos dar uma escapadinha para uma apneia na face externa do molhe do Porto de Santo Antônio, para ver como andava de incrustações por lá.



Incrustações até que havia. Porém o acesso às mesmas é beeem complicado. Imagino que o hidrodinamismo seja considerável nesta localidade em dias de ressaca, de modo que as esponjas que se vê, estão no fundo de gretas, fendas e pequenos túneis, em sua maioria inacessíveis a um mergulhador. Tampouco vi qualquer indício de que a diversidade pudesse ser alta. Na foto, uma Amphimedon viridis, coletada.

Já peixes, havia, e bastante. Nada muito grande, pois essa deve ser uma área de pesca intensa dada a facilidade de acesso.

Este linguado até que não era dos menores, com cerca de 30 cm.

quinta-feira, 20 de abril de 2017

TB'16 - Expedição TAXPOmol Biodescoberta 2016 (Dia 17)

FERNANDO DE NORONHA

16º dia da expedição (23/04/2016). Mergulhos 05 e 06 com a ATLANTIS. Para hoje nos reservaram a Enseada das Cagarras e a Ressurreta, dois pontos dos quais Eduardo guardava ótimas recordações dos mergulhos realizados em 2003.


Arquipélago de Fernando de Noronha "pescado" do Google Earth, indicando a localização dos dois pontos de mergulho do dia.

Cagarras - Estávamos à cata de Chondrilla complexo nucula, a pedido das Profas. Dras. Carla Zilberberg e Michelle Klautau (Instituto de Biologia / UFRJ). Infelizmente, muito mais comuns eram as Chondrosia aff. reniformis, como essa da imagem. Apesar de classificadas em ordens distintas após a última revisão da classificação dos poríferos, por vezes é muito difícil diferenciar uma Chondrilla de uma Chondrosia em campo.

O tema Chondrilla nos é particularmente interessante, pois resultados gerados ainda nos anos 90 revelaram que as supostas Chondrilla nucula da costa brasileira não pertenciam à mesma linhagem do material Mediterrâneo, de onde a espécie fora descrita originalmente. Aliás, tampouco materiais oriundos da região caribenha. A estes últimos já se atribuiu o nome Chondrilla caribensis, mas no caso brasileiro o problema é mais complexo, pois não se consegue reconhecer através da morfologia as linhagens resgatadas no estudo bioquímico.

Dois estudos importantes para entender a questão acima são:

Klautau et al (1999) Evolution, 53: 1414-1422
Rützler et al (2007) Marine Ecology. 28 (Suppl.1): 95-111

Cagarras - Camille Leal se aproxima da primeira Xestospongia muta (Grande Esponja Barril) do dia. Este era um dos alvos de nossas coletas em Fernando de Noronha, localidade onde tínhamos certeza de que a encontraríamos. Ao todo precisávamos amostrar seis esponjas desta espécie, conforme a seguinte estratégia: duas amostras do bordo superior da esponja, duas da superfície interna, e duas da região basal externa. Cada amostra com aproximadamente 50ml. O objetivo desta subamostragem é conhecer a variabilidade do microbioma (comunidade microbiana associada) desta esponja, em cada localidade, de modo a melhor compreender a variabilidade na ampla escala geográfica abarcada em nosso projeto MBQmar (Brasil - Caribe).

Cagarras - Uma Dragmacidon reticulatus, uma das espécies-alvo do doutoramento de Humberto Fortunato (UERJ), que realizará estudos de variabilidade metabolômica na França.

Cagarras - Phorbas amaranthus, espécie-alvo do projeto de pós-doutoramento de Sula Salani, onde se pretende avaliar se há variabilidade ao nível celular e subcelular, bem como averiguar a identidade genética de materiais do Brasil e do Caribe (Ilhas Virgens e Panamá).

Cagarras - Esta Agelas cf. sventres era uma das espécies mais abundantes do arquipélago, o que nos possibilitou coletar material suficiente para uma caracterização química detalhada, com o objetivo de verificar se são produzidos os mesos compostos por espécimes do Brasil e do Caribe.

A equipe à caminho do 2º mergulho. Da esq para a dir: Sula, Humberto, André, Cristiana, Camille e Eduardo.

Ressurreta - Ao chegarmos ao local do mergulho constatamos que a caverninha já estava ocupada ... Mas enfim, pedimos licença e tocamos nosso trabalho, pois voltar à Noronha não está nos planos próximos de viagem, em decorrência dos custos elevados de acesso e estada, e da incerteza quanto ao repasse de recursos devidos ao projeto pela CAPES.

Ressurreta - Uma das espécies que mais chamava a atenção neste lugar, apesar de não muito abundante, era esta provável Dercitus latex. Sua cor intensa destoava do entorno, com predominância de brancos e amarelos.

Ressurreta - Uma Clathrina amarela (esponja calcarea), em uma profundidade aproximada de 4-5 m. Em Fernando de Noronha essas esponjas se mostraram bastante raras e pequenas. Esta habitava a superfície inferior, abrigada da luz, em uma rocha do tamanho de um melão, em um local com intenso hidrodinamismo. Aliás, em um dado momento tivemos a sensação de que o mar nos atiraria nas pedras.

Baía do Sancho ao entardecer, aproveitando umas horinhas de luz que nos sobraram após a coleta e triagem do material.

Baía do Sancho, agora vista do nível "térreo". Este é certamente um local que se aproxima bastante do que nosso imaginário tende a definir como paradisíaco.

Outro ângulo, mesmo entardecer. Agora, de cara para os Morros Dois Irmãos, carinhosamente apelidados de "Fafá de Belém", ao largo dos quais fizemos o primeiro mergulho da véspera.

Por do sol na Baía dos Golfinhos.

No dia seguinte faríamos nossos dois últimos mergulhos com a Atlantis Divers, depois dos quais restaria-nos apenas arrumar todo o material que despacharíamos pela chata para Recife, e de lá por transportadora para o Rio de Janeiro, arrumar nossos próprios materiais pessoais, e fazer hora para poder voar. Ou seja, baixar o nível de nitrogênio no sangue para minimizar o risco de embolia no voo para o Rio de Janeiro.

terça-feira, 18 de abril de 2017

TB'16 - Expedição TAXPOmol Biodescoberta 2016 (Dia 16)

FERNANDO DE NORONHA

15º dia da expedição (22/04/2016). Mergulhos 03 e 04 com a ATLANTIS. Para onde iríamos? Como na véspera, abordamos o "Discovery", e quando zarpamos é que ficamos sabendo dos planos de mergulho. E que grata surpresa; Gruta da Sapata!! 





Como segundo mergulho, Morro de Fora. Talvez não tenhamos alcançado o "point", pois o fato é que nos coube ficar marretando granito para conseguir crostas impossíveis de soltar. Minha talhadeira abriu um beiço que mais parecia que tinha levado picada de abelha!




MNRJ 20286

MNRJ 20287

Mas enfim, de crosta em crosta os espongiólogos vão mudando o quadro reinante de desconhecimento acerca da biodiversidade brasileira de poríferos marinhos. Usaremos tantas talhadeiras quantas forem necessárias para conseguir amostras que nos permitam dar nome à espongiofauna marinha brasileira. Afinal, poucas são as mentes suficientemente esclarecidas pra preocupar-se com a preservação do desconhecido.

sexta-feira, 8 de julho de 2016

Mônica Dorigo Correia, Embaixadora das Esponjas de Alagoas

Minha amiga Mônica era carioca como eu. Aliás, nunca conseguiu sequer disfarçar essa origem, mesmo após décadas de imersão em terras, e mais que tudo, águas alagoanas. Ela graduou-se pela Universidade Santa Úrsula, à época com uma boa formação em Biologia Marinha. E no caso de Mônica, complementada através de seu estágio no Departamento de Biologia Marinha da UFRJ. Foi nessa época que nos conhecemos. A década do Rock Nacional. Anos 80, muito som nas caixas, e muito trabalho nos laboratórios, onde começávamos a nos profissionalizar. Mas a Terra não para. Mônica seguiu seu rumo, entre Rio de Janeiro, Curitiba e finalmente Maceió. Eu o meu, entre São Paulo, Amsterdam, São Paulo de novo, e finalmente Rio de Janeiro.

Agora, já trocara a década, e Mônica se convertera em uma "sacoleira". E não agia sozinha! Já fazia tempo que tinha na cumplicidade de sua amiga Hilda, a certeza de que caminhavam na direção certa. A cada tantos meses, aparecia a dupla em meu laboratório, portando uma sacola cheia de amostras de poríferos dos recifes costeiros de Maceió. Foi quando nomes como Ponta Verde, Jatiuca e Piscina dos Amores começaram a retumbar em minha cabeça. Eu já havia estado em Maceió como turista, mas agora era o cientista que cutucavam com vara curta. Costurava-se aí uma colaboração que varou os anos 1990 e 2000, e teria seguramente varado as décadas de 2010 e 2020, não fosse o falecimento precoce de minha amiga, que nos deixou a todos sem chão, sem corrimão, estarrecidos com a reviravolta que dá o mundo a nosso redor, sem pedir licença.

As fotos a seguir são uma pequena amostra dos momentos que compartilhamos. Aliás, a vida é tão corrida que a maioria dos momentos sequer foi registrada. Mas o clima era esse que se vê nessas imagens. Muito amor à profissão, aí embutido o gigantesco amor pelo mar, seriedade nas horas de ser sério, descontração nas horas de não ser sério. Maceió passou a ser uma das válvulas de escape às quais recorro volta e meia para desacelerar o ritmo sulista, e o Rio de Janeiro permitiu à Mônica dar asas a alunos que fizeram por merecer sua confiança, e a fizeram apostar em seu futuro acadêmico. Pois seus braços alcançavam longe no território nacional quando o negócio era ajudar alunos a se desenvolverem. Maceió entrou definitivamente no mapa das esponjas do Brasil, e foi lá que nasceu este Blog, no início de 2010.








Dá para perceber que a dupla Artur e Merlim de aquacães era absolutamente inseparável de nossas aventuras? 


Mônica esteve presente aos dois Simpósios Brasileiros de Espongiologia, Curitiba (2008) e Salvador (2012), sempre muito participativa, integrada, torcedora, crítica quando necessário.
Ela tinha também grande orgulho de suas fotografias aéreas, que sem sombra de dúvida divulgaram a beleza e magnitude dos recifes costeiros do litoral central do Estado de Alagoas, para o Brasil, e vários cantos do mundo. Certamente, a mim elas fisgaram!


Celebração por uma semana produtiva, com boas coletas, palestras, ou o que fosse, tinha endereço certo - Wanchako. Não era difícil arrastar Mônica e Hilda para lá. Não pensem que do outro lado da câmera não havia um sorriso maior ainda!

Degustação de vinhos no Rio de Janeiro, ou degustação de cocos em Maceió? Não importa,. Sempre nos divertimos muito. Bom seria se seguíssemos assim. 

______________________________________________________________________________
A seguir algumas publicações que fizemos em parceria. Algumas ainda virão, e seguramente muitas outras viriam. No que depender de nós, continuaremos buscando novidades no litoral alagoano, um local privilegiado em termos de esponjas, águas quentes e claras, e praias paradisíacas.


"Primeira descrição das gêmulas de Ephydatia facunda Weltner, 1895 (Porifera, Haplosclerida, Spongillidae) por microscopia eletrônica de varredura, com observações subaquáticas de uma grande população do nordeste do Brasil" Nosso primeiro artigo em colaboração. Primeira vez que Eduardo viu esponjas de água doce por mergulho. 


**********
"Demospongiae (Porifera) dos recifes de coral rasos de Maceió, Estado de Alagoas, Brasil" Primeiro artigo derivado da Dissertação de Mestrado de Victor, desenvolvido no laboratório chefiado pela Mônica e pela Hilda, que hoje conta com uma coleção, que se ainda não o fez, certamente está à beira de alcançar os 1000 espécimes de esponjas

**********
"Mycale alagoana sp.nov. e dois novos registros formais de Porifera (Demospongiae, Poecilosclerida) de recifes de águas rasas de Alagoas (Brasil)"

**********
"Três novas esponjas intermareais (Porifera: Demospongiae) de recifes urbanos brasileiros em franja (Maceió, Alagoas, Brasil), e suporte à exclusão de Rhabderemia de Poecilosclerida" Segundo artigo da Dissertação de Victor, gerou uma tremenda repercussão na mídia tanto por conta de se tratarem de recifes do Município de Maceió, quanto pelo fato que cada espécie nova tinha uma cor distinta - amarela, vermelha e azul.

**********
"Duas novas espécies de Haliclona de águas rasas do nordeste do Brasil (Demospongiae: Haplosclerida: Chalinidae)". Primeiro artigo da Dissertação de André. 


A seguir, uma pequena seleção de imagens de esponjas alagoanas feitas pela Mônica, desempenhando seu papel de Embaixadora. Diversas destas espécies são novos registros para o Estado, e há também possíveis espécies novas que aguardam descrição.